Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

(Sinónimo de) Carmezim

(Sinónimo de) Carmezim

10
Mar17

Guardado na estante #1 | In The Skin Of a Lion

Lembram-se de ter partilhado esse momento tão marcante na minha vida que é estar, pela primeira vez, a ler dois livros ao mesmo tempo? Pois bem, a coisa correu melhor do que estava à espera. 

 

Acho que estar a estagiar ajudou bastante: andar mais de transportes públicos e mais tempo à espera que estes cheguem são tudo momentos ideais para puxar do livro - ou dos livros - e fazer o tempo passar um bocadinho mais rápido. Verdade seja dita, andar de transportes públicos em Lisboa é uma aventura. Confesso que não tinha essa noção, mesmo três anos depois de estar lá a estudar. Fui privilegiada por estar a estudar num local onde até poderia optar por ir a pé em vez de sequer pôr um pézinho no metro, coisa que fiz muita vez. Por essa razão, ter que agora ir de metro até ao caótico Marquês de Pombal para depois apanhar um autocarro da carris que parece que se vai desmontar a cada metro que passa em cima dos carris dos eléctricos, é toda uma nova experiência para mim. Houve momentos em que tinha o livro a dois milímetros da ponta do nariz, de tanta gente que me apertava, mas a verdade é que o primeiro dos dois livros já está na estante.

 

 

O que terminei primeiro foi "In The Skin Of a Lion" de Michael Ondaatje. Conscientemente ou não, até me deu jeito teminar este primeiro, visto ser para uma cadeira da faculdade - que ainda não percebi bem o que tem de ligado com o programa, mas enfim, acho que irei descobrir em breve. 

Tal como tinha dito, nunca tinha lido nada do autor e tampouco tinha ouvido falar dele. Pela pequena pesquisa que fiz, ganhou vários prémios com o seu livro "The English Patient" mas esse era também outro livro que não era meu conhecido. 

 

"In The Skin Of a Lion" está dividido em três partes, concentrando-se sempre na personagem de Patrick e nos seus amores, desamores, perdas, lugares e tarefas que faz ao longo da vida, sempre com o espírito do seu pai presente. O facto de se tratar dum romance pés-colonial, que trata a vinda de imigrantes para o Canada, torna a história - sobretudo nas primeiras duas partes - muito interessante, não só a nível histórico como também social, visto que ouvimos a história a partir do ponto de vista de um desses imigrantes. 

 

Aspetos como a língua - ou as línguas, dado que foram inúmeras as nacionalidades que se deslocaram para o Canada nos anos 30 - ou a versatilidade que pessoas que se tentam integrar têm que ter para poder fazer parte de uma comunidade são das situações mais interessantes de observar ao longo do romance. 

 

A linguagem é simplesmente maravilhosa. As metáforas, comparações e sobretudo os eufemismo são de uma riqueza que faz querer relêr certas passagens, de tão belas que são. Os diálogos são curtos mas sempre duma sinceridade tal que ficamos com a sensação de sermos capazes de ouvir as vozes das personagens. Para primeiro contacto com este autor, a sua escrita foi sem dúvida um dos aspetos que ultrapassou as minhas expectativas. 

 

O título também está muito bem pensado, apesar de ser apenas num momento ali a meio do romance que nos apercebemos do seu sentido e da sua mensagem. Já nos bestiários medievais, o leão é considerado o criador e o rei de todos os outros animais. Neste sentido, o "vestir a pele de leão" simboliza as várias "peles" que Patrick e outros imigrantes se vêem obrigados a vestir de forma a se conseguirem integrar na cultura dominante. Estar "na pele do leão" é o que permite a Patrick sentir-se em casa, mesmo estando tão longe dela. 

 

No que toca à terceira parte, a história já foi diferente. As personagens mudam de repente, bem como a voz do narrador, o que torna a conclusão do romance de difícil compreensão. É verdade também que li este livro na sua versão original - e como me acontece quando o faço - fico sempre com a sensação de que deixo alguns pormenores passar ao lado por não estar a ler na minha língua. 

 

Confesso: a confusão foi tanta, na parte final do romance, que tive que recorrer ao meu querido Google para ler alguns resumos sobre as últimas partes da história, o que foi uma pena. Apesar disso, não deixa de ser um bom romance, com uma história bonita, sobre temas que, num momento em que ouvimos falar de refugiados a toda a hora, são mais atuais que nunca. É um olhar novo sobre uma realidade que parece estar tão distante das nossas rotinas, apenas pelo facto de termos a sorte de viver na nossa própria cultura. 

Podem visitar o meu Goodreads para verem a quantas ando nas minhas leituras.

 

 

3HEART.pngem 5

 

 

 

Bons livros são (Sinónimo de) Carmezim.

Marta.

 

A Marta

Sinonimo de Carmezim

@mcarmeziim

Parcerias

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Blogs Portugal