Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

(Sinónimo de) Carmezim

(Sinónimo de) Carmezim

04
Out17

Guardado na estante #9 - O Monte dos Vendavais

Estavam a ver que não, não era? Se eu achava que tinha demorado demasiado tempo a ler O Processo de Kafka, agora consegui bater o meu próprio record. Foi um mês e vinte e dois dias a ler aquela que é considerada uma das obras-primas da literatura inglesa, para ser precisa. Por causa deste livro tive que, muito contrariada, alterar a minha meta anual de livros lidos. Reduzi o meu objetivo final de 25 para 20 livros lidos em 2017 porque depois de ter passado quase dois meses agarrada a este, seria apenas impossível conseguir alcançar os 25.

 

Uma coisa é certa: a culpa não foi, decididamente, do livro. Foi minha e só minha e um pouco do meu estômago que anda mais sensível que o costume, impedindo-me de ser capaz de ler na maior parte dos contextos do meu dia a dia. Restavam-me cerca de 40 minutos diários para ler algumas páginas do livro durante as minhas viagens de metro - o único meio de transporte que não me faz enjoar neste momento. Foi chato e foi triste porque queria ter dedicado mais tempo de leitura a esta obra, não só em prol do meu objetivo anual, mas também porque o livro assim merece.

 

 

A primeira vez que ouvi falar d'O Monte dos Vendavais devia ter os meus treze anos - não se riam agora - quando saiu o primeiro filme da saga O Crespúsculo. Como quase todas as adolescentes da minha idade eu fui absolutamente fã daqueles filmes e das suas personagens. O livro preferido da Bella - a protagonista - era, precisamente, O Monte dos Vendavais e ela andava muitas vezes acompanhada de um exemplar. Na altura quis ler, mas ainda bem que não o fiz porque, na plenitude dos meus treze anos, não estava pronta para ler um livro destes. No entanto, a verdade é que nunca mais me esqueci dele e desta vez decidi que se calhar estava na altura certa para ler.

 

O Monte dos Vendavais é um livro sombrio. Desengana-se quem acha que vai ali encontrar uma história de amor linda e maravilhosa que, apesar de todos os precauços, vai deixar toda a gente feliz no final do livro. Desengane-se também quem acha que vai fechar aquele livro, quando chegar a última página, com um sorriso nos lábios. Se isso acontecer será apenas como recompensa por terem passado pela provação que pode ser ler este livro.

 

 

Consigo perceber o porquê de se dizer que O Monte dos Vendavais é uma história de amor, mas se me perguntarem se achei que o amor é aquilo que liga todos os temas e subnarrativas que constituem o livro, digo-vos já que não. O conjunto de personagens é, na sua grande maioria, constituído por personalidades muito pouco estáveis, odiosas e sobretudo vingativas. Durante todo o livro nos vamos deparando com situações em que isto é provado e por essa razão, na minha leitura, não me consegui identificar com nenhuma delas.

 

Houve até momentos em que cheguei mesmo a ficar de boca aberta perante os planos mesquinhos de vingança, a violência e até, prefazendo um paradoxo total, a inocência e a ingenuidade de algumas personagens em certos momentos da história. Para mim, em última análise, O Monte dos Vendavais é uma história de culpa e obsessão, passando os limites daquilo que se pode considerar amor ou até paixão. No entanto, também sou da opinião que grande parte delas têm razões para se terem tornado assim - especialmente por causa dos traumas provocados pelos próprios pais.

 

Dito isto, este livro marcou-me e posso até dizer que está, sem dúvida, no meu TOP 5. Para alguém que gosta de escrever, este livro é absolutamente delicioso. "Já ninguém escreve assim" era o meu pensamento constante. Emily Bronte consegue, n'O Monte dos Vendavais - não li mais nada da autora - algo que até aqui nunca me tinha sido possível: ter a sensação de que compreendi cada frase que foi escrita, mesmo que a linguagem esteja tão longe daquilo a que estamos habituados.

 

É um problema que eu tenho com "clássicos", essa sensação de me estar sempre a escapar qualquer coisa porque a escrita é tão complexa que acaba por se intrometer entre o leitor e a trama. Em O Monte dos Vendavais foi o equilíbrio perfeito entre a escrita e a história. Nunca tinha visto descrições articuladas de forma tão magistral com as persongens e com as suas crises constantes.

 

O Monte dos Vendavais é agora um daqueles livros que sei que de tempos a tempos lá o vou tirar da estante. Até fiquei em dúvida se o deveria incluir neste meu espacinho "Guardado na Estante" porque sei já de antemão que ele não vai ficar assim durante muito tempo. Se calhar daqui a uns anos até posso vir a compreender melhor as personagens e o seu lado tão negro.

É espetacular, por isso recomendo a todos aqueles que estão já mentalizados para ler uma história que tem tanto de encantadora como perturbadora.

 

Bons livros são (Sinónimo de) Carmezim.

Marta.

A Marta

Sinonimo de Carmezim

@mcarmeziim

Parcerias

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Blogs Portugal